Incêndios 2017: “Para situações diferentes, entendo que deve haver ações diferentes
Proença-a-Nova
2018-01-17 12:21:32
Patrícia Calado

“Atendendo a que houve dois episódios que foram trágicos, denominados de Pedrógão que se difundiram numa vasta área e os de 15 de outubro, entendo que para situações diferentes, deve haver situações diferentes”, comentou João Lobo, presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova, aquando questionado pelo POVO da BEIRA acerca da distribuição de apoios aos concelhos afetados pelos incêndios, em 2017.

No entanto, o autarca admite que o Governo devia fazer um “esforço de tratamento igual, no que diz respeito aos agricultores”, que nesse caso, devia “ser transversal a todos, quer sejam de junho ou outubro”.

Proença-a-Nova viu o concelho a arder em julho e em setembro, e o presidente desta edilidade contou ao POVO da BEIRA, que a população teve a hipótese de candidatar a apoios do Ministério da Agricultura e do PDR. Para estas candidaturas, a Câmara Municipal de Proença-a-Nova auxiliou aqueles que tinham a intenção de apresentar candidatura.

Além disso, a autarquia proencense disponibilizou técnicos que, “logo após os incêndios”, fizeram um levantamento de todos os dados, quer no público quer nos privados” e prestou apoio material assim como mão-de-obra.

Recorde-se que no concelho de Proença-a-Nova arderam 7,4 mil hectares.



Última edição