APPACDM de Castelo Branco vai ter sessões de Ozonoterapia
Castelo Branco
2018-04-14 11:42:25
Lourenço Martins de Carvalho

A APPACDM de Castelo Branco – Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental – vai contar com sessões de Ozonoterapia. O anúncio foi feito na passada quarta-feira, dia 11 de abril, numa conferência de imprensa na instituição.

O tratamento será aberto a toda a comunidade e terá os enfermeiros Rui Martins e Carla Martins como principais responsáveis.

O enfermeiro explicou que quem quer realizar Ozonoterapia, que se faz através de via retal, não precisa de pedir ao médico, mas antes de iniciar o tratamento haverá uma avaliação feita pelos especialistas.

“A APPACDM terá uma diretora cliníca que irá controlar tudo e, quem quiser realizar Ozonoterapia, passará por uma consulta prévia”, afirmou Rui Martins, acrescentando, de seguida as regras do tratamento.

“Há regras a cumprir. Não se pode fazer mais de 20 sessões e, após atingir o limite de sessões, tem de se fazer uma pausa de quatro meses”, deixando um aviso. “Há muitas pessoas em Portugal a usar Ozonoterapia na corda bamba e que não sabem o que estão a fazer”, alertou.

A Declaração de Madrid, assinada pela Associação Espanhola de Profissionais Médicos de Ozonoterapia, é o documento que rege os tratamentos e onde se pode encontrar toda a informação, como a dosagem a usar em cada caso.

A Ozonoterapia pode ser usada em diversas patologias, desde situações dermatológicas até situações de concentração, sendo que tudo é tido em conta – idade, peso, altura, estado de saúde da pessoa.

“A Ozonoterapia é dar oxigénio ao corpo, que é transformado em Ozono. Os tratamentos ajudam a relaxar, baixam o stress das células, além de ajudar na concentração e em termos cerebrais”, contou Rui Martins, que se especializou na área, em Madrid.

Cada sessão na APPACDM de Castelo Branco terá o valor mínimo de dez euros, o que significa que as 20 sessões têm um custo de 200 euros. Contudo, quem não tiver possibilidade de pagar não será colocado de parte.

“Ninguém ficará de parte. Se o preço das sessões for demasiado alto, a instituição analisa o caso e arranjam-se soluções”, afirmou Maria de Lurdes Pombo, presidente da APPACDM.

O valor de investimento na Ozonoterapia ronda os cinco mil euros e a líder da Associação confessou que era uma necessidade das crianças.

“A APPACDM tem de estar sempre atenta e olhar para a sustentabilidade da instituição. Sabíamos que era importante para as crianças e os adultos, mas tínhamos de encontrar a pessoa certa e especializada”, concluiu Maria de Lurdes Pombo.

Uma sessão de Ozonoterapia tem a duração de cerca de um a dois minutos.



Última edição