Autarquia cria Plano Municipal para integração população imigrante
Castelo Branco
2018-05-07 12:31:31
Povo da Beira

A Câmara Municipal de Castelo Branco, juntamente com a Amato Lusitano – Associação de Desenvolvimento e outros parceiros que integram o Conselho Local de Ação Social, lançou um convite a diversas empresas para a apresentação de propostas com vista à elaboração do "Plano Municipal para a Integração de Migrantes de Castelo Branco".

Os Planos Municipais para a Integração de Migrantes procuram garantir a construção de níveis superiores de integração, assentes no trabalho conjunto e devidamente articulado de diferentes entidades na área das migrações (locais, regionais e nacionais), na definição de estratégias e de ações que concorram para uma atuação concertada e qualificada, geradora de uma mudança social e promotora de uma maior eficácia nas políticas de acolhimento e integração de imigrantes.

 Em Castelo Branco, tem-se vindo a realizar um trabalho contínuo, consistente e de proximidade com a comunidade imigrante, que importa melhorar, aumentando a eficácia, a qualidade e a diversidade das soluções de resposta às necessidades existentes e emergentes.

Este Plano Municipal para a Integração de Migrantes, a iniciar durante o mês de maio, terá por base uma abordagem bottom-up de planeamento, envolvendo diversas entidades locais, regionais e nacionais com intervenção direta no acolhimento e integração de imigrantes.

O grupo alvo do Plano  Municipal de Castelo Branco e das ações que serão desenvolvidas no quadro da sua implementação são os migrantes legais, cidadãos Nacionais de Países Terceiros, num quadro de acompanhamento dos esforços nacionais e da União Europeia de apoio e inclusão dos nacionais de países terceiros e dos refugiados no país e na sociedade.

Numa primeira fase, o Plano Municipal contemplará a realização de um diagnóstico local, que identificará para o concelho de Castelo Branco, as entidades que intervêm no setor da integração de migrantes, as respetivas áreas de atuação e os serviços prestados. Serão igualmente diagnosticadas as necessidades das comunidades imigrantes que residem no concelho, a partir das quais serão desenhadas respostas integradas e eficazes em matéria de acolhimento e integração e de valorização da diversidade.

Ao longo do processo de elaboração do Plano – três meses - serão realizadas diversas iniciativas de envolvimento e participação pública que permitirão robustecer as estratégias de atuação concertadas das diferentes entidades parceiras. Serão ainda implementados diversos espaços de partilha e troca de experiências e de diálogo com o objetivo de fomentar uma mudança social e cultural que garanta uma maior eficácia na execução das políticas de acolhimento e integração de imigrantes, em Castelo Branco. 



Última edição