Plataforma P’la Reposição das SCUT marca ações de protesto para junho e recebe apoio da ANTP
Castelo Branco
2018-06-13 11:27:47
Povo da Beira

A Plataforma P’la Reposição das SCUT’s na A23 e A25 afirma que os descontos setorais não correspondem às “reais necessidades” de desenvolvimento do Interior e agendou já a realização de três marchas lentas para o mês de junho.

Em comunicado, a Plataforma reagiu às recentes notícias, que dão conta da intenção do Governo, de aprovar uma eventual redução em 30%, do preço das portagens nas antigas Scut do Interior, incluindo a A23 e A25, mas apenas para os transportes pesados de mercadorias.

“Face a estas notícias, a Plataforma torna pública a sua posição de que os descontos setoriais não correspondem às reais necessidades de desenvolvimento do Interior”, lê-se no documento.

Reafirmam ainda a sua posição de reivindicação pela reposição das Scut sem custos para o utilizador e adiantam que estão em total consonância com a posição tomada pela Associação Nacional de Transportadoras Portuguesas (ANTP), quando afirma que não pode haver portagens porque não há alternativas, nem para os transportes das empresas, nem para a população em geral.

“As portagens foram responsáveis por insolvências e desemprego e constituem um travão ao desenvolvimento desta região despovoada e em contínuo processo de definhamento económico e social”, sustentam.

Neste âmbito, a Plataforma sublinha que não vê outra alternativa que não seja continuar o processo de iniciativas pela reposição das Scut e marcou já para os próximos dias novas ações de protesto, que vão decorrer no dia 14 de junho, na Covilhã; dia 22 de junho, em Castelo Branco e dia 25 de junho, no Fundão.

Vão ainda solicitar, com caráter de urgência, audiências ao Presidente da República, à Comissão de Economia e ao Conselho Intermunicipal das Comunidades intermunicipais das Beiras e Serra da Estrela e da Beira Baixa.

Por último, decidiu marcar presença visível nas galerias da Assembleia da República, no dia que forem discutidas as propostas de resolução para a eliminação das portagens. Associação Nacional de Transportadoras apoia A Platarfoma anunciou ainda que acaba de receber o apoio da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP).

“Da reunião plenária da ANTP - Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (…), onde estiveram presentes perto de três centenas de empresas transportadoras, resultou o apoio daquela Associação, à Plataforma pela Reposição das Scut´s na A23 e A25”, refere em comunicado.

“É notório o descontentamento geral, pelo peso das portagens, na economia das empresas, bem como das pessoas, das regiões mais desfavorecidas”, lê-se na nota. A Plataforma realça que o tecido empresarial das regiões do Interior, composto maioritariamente, por microempresas e PME, não suporta este imposto indireto sobre o que é importação de matéria prima e de exportação de produto acabado, bem como os custos de distribuição regional dos bens de primeira necessidade.

Isto, para além dos custos que esta situação representa, para quem diariamente tem que usar as ex-Scut, para trabalhar.

“Este não é o espírito que esteve na origem da decisão de construção destas infraestruturas rodoviárias, financiadas pela União Europeia e dirigidas à redução das assimetrias, por via da promoção do desenvolvimento das regiões mais frágeis e do despovoamento a que vimos assistindo, nas últimas três décadas, com forte incremento desde há dez anos a esta parte”, conclui.

A Plataforma de Entendimento para a Reposição das SCUT na A23 e A25 integra sete entidades dos distritos de Castelo Branco e da Guarda, nomeadamente a Associação Empresarial da Beira Baixa, a União de Sindicatos de Castelo Branco, a Comissão de Utentes Contra as Portagens na A23, o Movimento de Empresários pela Subsistência pelo Interior, a Associação Empresarial da Região da Guarda, a Comissão de Utentes da A25 e a União de Sindicatos da Guarda.



Última edição