Mark Whitehouse conquista Internacionais de Ténis de Castelo Branco
Desporto
2018-07-11 11:30:18
Lourenço Martins de Carvalho

Mark Whitehouse venceu (6x4;6x4) Nuno Borges e conquistou o Torneio Internacionais de Ténis de Castelo Branco, em singulares, conquistando assim a primeira prova da carreira.

O britânico, licenciado em matemática, estava a disputar a primeira final da carreira e tinha pela frente um jovem tenista que, no dia anterior, tinha conquistado o torneio em pares, com Francisco Cabral.

O português entrou bem no encontro e, nos dois primeiros jogos de serviço, concebeu apenas um ponto ao adversário. Whitehouse, no entanto, mantinha-se concentrado e não cedia no seu jogo.

No sexto jogo do primeiro set, Nuno Borges conseguiu quebrar o jogo de serviço do britânico e passou a ter uma vantagem de dois jogos. No entanto, o seu oponente não se deixou afetar e, logo no jogo seguinte, quebrou o jogo de serviço do seu adversário, contando com vários erros não forçados o tenista português no serviço.

Borges pareceu ficar afetado pela ineficácia nos seus serviços e Whitehouse aproveitou para voltar a quebrar o jogo de serviço e fechou o primeiro set (6x4).

No segundo set, o britânico manteve o excelente momento na partida e começou logo a vencer um jogo de serviço de Nuno Borges. O jovem tenista português estava irritado e não conseguia jogoar o seu jogo.

Ainda assim, o terceiro cabeça de série do torneio quebrou o jogo de serviço de Whitehouse e manteve-se na luta do set.

O tenista inglês, apesar disso, mantinha-se com tocadas muito fortes e não vacilou, voltando a quebrar o jogo de serviço de Borges.

Neste sentido, Mark Whitehouse manteve-se foco e fechou o set (6x4), confirmando a sua primeira vitória da carreira.

Nuno Borges, que o ano passado tinha conquistado o Future, em Idanha-a-Nova, despede-se da prova como vencedor, em pares, e vice-campeão, em singulares.

Nuno Borges e Francisco Cabral vencem em Pares

Nuno Borges e Francisco Cabral venceram – 2x6; 7x6 (4); 10x8 - Maxime Tchoutakain e Hugo Voljacques, sagrando-se campões de pares do Internacionais de Ténis de Castelo Branco.

Num jogo muito equilibrado e com parciais muito, a dupla portuguesa teve de dar a volta à situação, por mais que uma ocasião.

Os adversários franceses deram muita luta e venderam muito cara a derrota, mas Nuno Borges e Francisco Cabral conseguiram mesmo garantir o triunfo e mais um título.

Organização fala em “balanço muito positivo”

O torneio terminou no domingo, dia 8 de julho, e Nuno Pissara e João Paulo Ramalho estavam bastante satisfeitos pela forma como tudo tinha corrido ao longo da semana passada e elevado número de participantes.

“Esta edição deve ter sido a mais concorrida de sempre, a par da edição há três anos atrás. Mas, em termos desportivos, foi a que trouxe mais nacionalidades e, em termos de participação, estivemos esgotados. Tivemos bom ténis e é um prazer ter aqui vários atletas como o Nuno Borges, o Fred Gil - que já cá esteve - e muitos outros. Também tivemos aqui a seleção da Guatemala, que elevaram bastante o nível do torneio e foi muito gratificante para a organização poder contar com todos estes atletas de forma massiva, não só em qualidade, mas também em quantidade”, afirmou Nuno Pissara.

O feedback dos tenistas também bastante positivo, o que comprova o trabalho de qualidade realizado pela organização, no sentido de fazer “os jogadores sentirem-se como em casa”.

 “Em termos gerais, os jogadores gostaram imenso da organização. O nosso objetivo é trabalhar para que eles se sintam em casa. O Mark, que acabou por ganhar, também transmitiu essa mensagem, que se sentiu confortável e isso também deve ter sido importante para o rendimento desportivo dele. Conseguimos isso e, nesse aspeto, penso que estamos de parabéns”, disse.

Nuno Pissara realçou a importância destas competições para atletas que, após concluírem os seus estudantes, querem tentar a via profissional.

“Estes torneios permitem que os jogadores, que terminaram as suas etapas universitárias, mas continuaram a jogar ténis ao longo da sua vida, possam agora tentar as suas carreiras profissionais, singrando e utilizando estes torneios para tentarem essa carreira profissional”, explicou.

João Paulo Ramalho mostrou-se contente com a forma como o público foi comparecendo nos jogos durante toda a semana, afirmando que o torneio está cada vez mais inserido na agenda dos albicastrenses.

“Ao longo da semana, o número de pessoas que tivemos cá a ver os jogos foi elevado. Poderíamos almejar mais pessoas, mas a verdade é que ao longo da semana as pessoas vão rodando pelos vários jogos. Ontem, dia 7 de julho, sábado, tivemos umas meias-finais muito bem compostas. Hoje, dia 8 de julho, a final, apesar do calor, também teve muito público, portanto ficámos satisfeitos pela resposta”, concluiu.



Última edição