PSD acusa Luís Correia de permitir permanência de Realinho na ADRACES após condenação em Tribunal
Castelo Branco
2018-09-05 12:15:47
Povo da Beira

A concelhia do PSD de Castelo Branco acusa o presidente da assembleia geral da Associação para o Desenvolvimento da Raia Centro-Sul (ADRACES), Luís Correia, de ter permitido que fosse discutida e aprovada a permanência do diretor executivo daquela associação, António Realinho, após condenação em Tribunal e após a confirmação da sentença pela Relação de Lisboa.

“O Dr. Luís Correia, na qualidade de presidente da assembleia geral da ADRACES, permitiu que no referido órgão fosse discutida e aprovada a permanência do Dr. António Realinho como diretor executivo da mencionada Associação. Esta recondução decorreu sob os auspícios do Dr. Luís Correia quando o Dr. António Realinho já tinha sido condenado há dois anos e após a confirmação da sentença pelo Tribunal da Relação de Lisboa”, refere em comunicado a concelhia do PSD local.

Os social-democratas recordam que compete ao presidente da assembleia geral da ADRACES assumir-se como o máximo responsável e zelar pelo bom funcionamento da instituição.

“As trapalhadas prosseguem com a atribuição e depois retirada (…) de uma licença sem vencimento ao então diretor executivo, Dr. António Realinho”, sublinham.

A concelhia do PSD entende que tal situação suscita algumas interrogações.

“Porquê esta proteção excessiva ao Dr. António Realinho? Quem receia o quê do Dr. António Realinho? Para quando um esclarecimento cabal destas ligações, aparentemente perigosas, do Dr. António Realinho a um conjunto de figuras com mais destaque no PS”, questionam.

Lamentam ainda que Castelo Branco seja notícia pelas “más razões” e adiantam que os albicastrenses merecem respeito e consideração por parte de quem os governa.

“Mais uma vez o Dr. Luís Correia pautou a sua atuação pela leviandade e desta forma induziu a um avolumar de suspeitas”, sustentam.

Os social-democratas exigem ainda “rigor e transparência” na gestão das instituições.



Última edição