CGTP-IN diz que é preciso aumentar salários e que há condições para isso
Castelo Branco
2018-10-10 05:21:55
Povo da Beira

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou, na segunda-feira, dia 8 de outubro, que é preciso aumentar os salários e adiantou que há todas as condições para isso, desde logo porque há crescimento económico, mas este deve estar associado ao desenvolvimento social.

“É preciso aumentar os salários. Objetivamente é preciso aumentar os salários. Há todas as condições para que isso se venha a verificar. Desde logo, porque há crescimento económico. Mas, o facto de haver crescimento economico, só por si, não é suficiente para dar resposta aos problemas dos trabalhadores. Para a CGTP, o crescimento económico tem que estar sempre associado ao desenvolvimento económico e social”, afirmou.

Arménio Carlos, que falava na biblioteca municipal de Castelo Branco, no âmbito de uma visita que realizou hoje a este distrito, sublinhou que não há razões nenhumas para que as confederações patronais, as associações patronais e o Governo, não respodam às propostas e reivindicações da CGTP e dos seus sindicatos.

“O futuro do país passa inevitalmente por uma ruptura com a politica que tem sido seguida, mas também com a valorização dos trabalhadores e a dignificação do seu papel na intervenção na sociedade em termos mais gerais”, defendeu.

O líder sindical reforçou a ideia de que o país não se desenvolve se continuar a ter um modelo de baixos salários e trabalho precário.

“O país não se desenvolve se, porventura, continuarmos a ter a desvalorização permanente dos trabalhadores e do trabalho, se porventura este Governo que se diz de esquerda, continuar a defender e a implementar uma politica laboral de direita”, sustentou.

Recordou ainda que nas próximas semanas vão decorrer um conjunto significativo de desafios que passam pela implementação da política reivindicativa da CGTP.

“Não é [a política reivindicativa] da CGTP em termos globais, mas é de cada um dos sindicatos, de cada um dos setores, de cada uma das empresas sejam públicas ou privadas. O que nos importa atualmente é redinamizar todo o processo, colocar os trabalhadores a discutir os seus problemas e,simultaneamente, a envolvê-los na reflexão sobre as propostas e reivindicações a apresentar quer ao Governo, quer ao patronato”, concluiu.

Arménio Carlos sublinhou que não podem vir argumentar que não há dinheiro.

“Há dinheiro. Depende é das prioridades. O Governo não tem mais de 50 ME para os trabalhadores da administração pública, mas tem 1.103 ME para pagar as Parcerias Públicas e Privadas (PPP) rodoviárias. Em que é que ficamos? O Estado paga 08% às PPP rodoviárias. Não é possível renegociar? É. Porque razão não passa dos 08% para os 04%? Estas são questões de fundo”, disse.

O sindicalista realçou que vão continuar a exigir os 650 euros de salário mínimo nacional (SMN) para 2019.

“Não voltem a repetir ou a iludir a opinião pública. O valor é irrisório e precisa de ser alargado”, concluiu.

Já o membro da União dos Sindicatos de Castelo Branco (USCB), Luís Garra, voltou a falar da luta pela reposição das Scut na A23 e A25.

O sindicalista deixou bem claro que a Plataforma pela Reposição das Scut, que integra a USCB, apesar de ter suspensa a ação que tinha prevista para o dia 13 de outubro, em Lisboa, à porta da residência oficial do primeiro-ministro, não vai desistir das suas reivindicações.

“O que pretendemos é claro. Sempre que o primeiro-ministro ou o ministro das Infraestruturas vierem ao distrito de Castelo Branco, vamos ter com eles. Não vamos largar-lhes as pernas. Vamos fazer luta de guerrilha”, disse.



Última edição