Parque Natural do Tejo Internacional tem versão final do plano de valorização aprovada
Vila Velha de Ródão
2018-11-07 02:17:25
Povo da Beira

O Conselho de Gestão do Parque Natural do Tejo Internacional (PNTI) aprovou recentemente a versão final do Plano de Valorização para aquela área protegida.

A versão final do Plano de Valorização do PNTI foi recentemente aprovada pelo Conselho de Gestão desta área protegida, presidido por Luís Pereira, depois de o documento ter estado em consulta pública durante o mês de abril.

“O período em que esteve aberto à opinião pública não teve grandes críticas nem grandes sugestões, porque de facto aquilo que esteve na génese do documento foi um processo bastante participativo. Esta é uma das características que o novo modelo de gestão trouxe ao PNTI, foi o reforço do diálogo com os agentes locais, com as populações, com as pessoas que estão no território”, explicou o presidente do Conselho de Gestão do Parque, Luís Pereira.

Este responsável sublinhou ainda que o documento quando foi colocado à discussão pública já refletia as preocupações das pessoas que estão no território e já tinha em conta os seus contributos, facto pelo qual a versão final não possui grandes alterações.

“A partir de agora temos aqui um desafio acrescido. Esta é uma parte do território muito importante, com valores naturais que durante muitos anos mereceram a nossa atenção e continuam a merecer. Agora, aquilo que se coloca é o desafio deste território se constituir como uma das âncoras do desenvolvimento da região, não só olharmos para uma perspetiva de preservação, mas também do desenvolvimento do território. É preciso criar dinâmicas a partir dos valores que temos no PNTI”, concluiu.

A aprovação da versão final do Plano de Valorização do PNTI para o período 2018-2022 aconteceu após 14 reuniões do Conselho de Gestão e sete reuniões da Direção do Projeto Piloto do PNTI.

Houve ainda 15 reuniões com atores-chave desta Área Protegida e mais de 100 cidadãos foram auscultados através de um inquérito de levantamento de opinião.

A consulta pública que decorreu durante todo o mês de abril registou ainda 22 participações.

Este documento pretende agregar, em torno da estratégia definida, o conjunto de projetos e ações consideradas importantes para o PNTI, que cada uma das sete entidades intervenientes no processo prioriza e pretende concretizar conjuntamente, partilhando de um mesmo objetivo: valorizar o PNTI.

O Projeto-Piloto para a Gestão Colaborativa do PNTI é uma iniciativa do Ministério do Ambiente e conta com a participação de sete parceiros: Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), os municípios de Castelo Branco, Idanha-a-Nova e Vila Velha de Ródão, o IPCB, a Associação Empresarial da Beira Baixa (AEBB) e a Quercus.

Esta nova forma de gestão de uma área protegida foi aprovada pelo Governo em maio de 2018 e segue os princípios definidos na Estratégia Nacional da Conservação da Natureza e da Biodiversidade.



Última edição