Confronto pela manutenção deu empate e deixou tudo igual
Desporto
2019-01-09 12:21:37
Povo da Beira

O Campeonato de Portugal regressou, após a paragem para a época festiva, e na Sertã, disputou-se um encontro entre adversários diretos. O Sertanense recebeu o GS Loures – primeiro conjunto em zona de despromoção -, separadas por dois pontos, com vantagem para os locais.

Uma das curiosidades da partida era perceber se os jogadores da Sertã tinham, durante a pausa, assimilado as ideias do novo treinador, Hugo Martins.

Nos primeiros minutos, os dois conjuntos procuraram encaixar-se um no outro, sem grandes oportunidades e com muito futebol pelo ar e pouca bola na relva.

A primeira meia hora de jogo foi muito pobre. Nenhuma ocasião de golo, muita luta a meio-campo e sem espaço para os jogadores mais tecnicistas mostrarem o seu futebol.

Notava-se que, nesta altura, nenhum dos treinadores queria arriscar muito, uma vez que este encontro era fundamental para os dois lados. O Sertanense, em caso de vitória, fica com uma vantagem de cinco pontos para a zona de despromoção, mas, em caso de derrota, é ultrapassado pelo adversário na tabela classificativa.

Já os forasteiros, se triunfassem, saiam da zona de despromoção e ultrapassavam a turma da Sertã. Em caso de desaire, as contas ficavam mais complicadas, com um fosso de cinco pontos.

A primeira situação de perigo apareceu numa bola parada, pelos pés de Celsinho. O brasileiro bateu tenso, ninguém desviou, sendo o guardião visitante apanhado de surpresa e obrigado a uma defesa de recurso para canto.

O intervalo, sem surpresa, chegou com um nulo no marcador. Um resultado justo e que espelhava bem o que se tinha passado em campo nos primeiros 45 minutos.

O Loures, na segunda parte, entrou mais perigoso e teve uma grande oportunidade nos primeiros minutos. Na sequência de um livre, batido por Ruben Freire, Amadu Turé cabeceou para golo, mas Rafa Santos efetuou uma boa defesa.

Os locais também procuravam a baliza contrária, mas os remates – seja de cabeça ou pelos pés – acabavam sempre à figura de Filipe Leão.

Após um início mais rápido e com as duas equipas mais perigosas, a partida voltou a entrar numa fase com poucas oportunidades de perigo. Hugo Martins, numa tentativa de refrescar o ataque, trocou Mané por Ricardo Pires.

Nos últimos dez minutos, a equipa da casa dispôs de uma excelente ocasião. Ricardo Pires saltou mais alto que todos, cabeceou colocado, mas o guarda-redes contrário defendeu, com a ponta dos dedos, para canto.

O jogo manteve-se, até final, sem golos, terminando com um nulo. Um empate que, pelo que as duas equipas fizeram durante os 90 minutos, se aceita e deixa as contas todas iguais na luta pela manutenção.

Este é o segundo empate, sem golos, de Hugo Martins no comando técnico do Sertanense. Assim, o conjunto da Zona do Pinhal continua com mais dois pontos que a primeira equipa em zona de despromoção, o Santa Iria.

O clube, presidido por Paulo Farinha, continua sem vencer, aumentando para dez o número de jogos sem vencer.

O Sertanense, na próxima jornada, desloca-se ao terreno do GD Peniche, em mais um encontro com um adversário direto na luta pela manutenção.

FICHA DE JOGO

Estádio: Campo de Jogos Dr. Marques dos Santos

Árbitro: Tiago Pinto

SERTANENSE: Rafa Santos, Tito Júnior, Ronan, João Jesus, Celsinho, Kevin, Barbosa, Batista, Davou, Mané (Ricardo Pires 72’), Sócrates (Luís Dias 86’)

Treinador: Hugo Martins

Suplentes não utilizados: Pedro Farinha, Tiago Correia, Bruno, Vladimir, Cleiton

GS LOURES: Filipe Leão, Nélson Semedo, Filipe Gaspar, Jamil (Fábio Marinheiro 76’), Ruben Freire, Bruny Almeida, Gonçalo Silva (Mauro Andrade 79’), Leo Tomé, Amadu Turé, Luís Elói (Miguel Oliveira 84’), Klysman

Treinador: André David

Suplentes não utilizados: Miguel Soares, Jorge Gonzalez, Emanuel Garcia, Qi Cui

Disciplina: Ruben Freire (21’), Bruny Almeida (36’), Celsinho (44’)

Hugo Martins, treinador do Sertanense:

“Montámos a estratégia que no nosso entender é a melhor para a confiança que o plantel tem. Foi um jogo equilibrado com muito mais posse de bola para o Loures, mas isso também tem a ver com as diferentes formas de jogar das duas equipas. Já demonstrámos que estamos bem defensivamente, mas é público que com a saída de alguns jogadores, teremos que reforçar de alguns jogadores. Precisamos neste momento de um médio mais criativo e de um extremo com características de profundidade.”



Última edição