Recriação da Lenda de São Pedro da Cadeira encheu o Largo da Igreja Matriz de São Pedro do Esteval
Proença-a-Nova
2019-03-03 10:53:24
Povo da Beira

A recriação história da Lenda de São Pedro da Cadeira levou uma centena de pessoas ao Largo da Igreja Matriz de São Pedro do Esteval, a 23 de fevereiro, para assistir à teatralização deste conto protagonizado pelo Grupo de Teatro Vaátão.

Existem duas histórias associadas a São Pedro da Cadeira, uma que diz respeito à construção da Capela e à origem do nome da aldeia e outra que surgiu depois de uma promessa feita ao Santo.

Reza a lenda que a imagem de S. Pedro apareceu atrás de umas pedras e de umas estevas num vale que passou a chamar-se de “Vale de São Pedro”.

Os habitantes de Proença-a-Nova queriam levá-lo para a Igreja da vila. Mas, chegavam ao ribeiro de S. Gens, o santo desaparecia de cesto. Tornavam por trás chegavam ao Vale de S. Pedro já lá estava ao pé das pedras.

Por isso, tiveram de o deixar ali como orago de uma igreja que lhe construíram – a Igreja de São Pedro do Esteval onde está sentado numa cadeira. Anos mais tarde, uma praga de insectos devastou hortas e poluiu as águas. Os proencenses, pessoas de muita fé, recorreram a S. Pedro da Cadeira para que os livrasse do flagelo.

Em cumprimento da promessa feita, a partir desse dia, o dia 22 de fevereiro - data da festa de São Pedro Cadeira – passou a ser considerado dia santo.

As personagens retrataram ambas as histórias, dando vida a uma lenda que tem passado de geração em geração e que diz respeito à identidade do povo desta aldeia, com o objetivo de “divulgar a nossa história e de a levar o mais longe possível, seja aos naturais do concelho, seja aqueles que nos visitam”, afirmou o vice-presidente do Município de Proença-a-Nova, João Manso.

A Recriação da Lenda de São Pedro da Cadeira é a primeira iniciativa do segundo ano do projeto Beira Baixa Cultural cofinanciado no âmbito do Centro 2020, Portugal 2020 e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional da União Europeia, promovido pela Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (CIMBB), na qual está integrado o Município de Proença-a-Nova.

Depois da encenação, o Pólo da Biblioteca de São Pedro do Esteval foi pequeno para as mais de 160 pessoas que quiseram assistir à noite de fados com o grupo “Capas, copos e guitarradas”, um concerto no âmbito do espetáculo musical mensal do 4º sábado, habitualmente organizado município, que neste mês de fevereiro foi descentralizado para esta freguesia pela primeira vez e foi da responsabilidade da Junta de Freguesia e da Associação dos Caçadores de São Pedro do Esteval.

Outros espetáculos estão já programados para o verão no Largo da Igreja desta localidade, com o apoio do município, “cumprindo um dos objetivos do executivo que é trazer animação a outras localidades do concelho”, acrescentou o vice-presidente.

Paulo Cardoso, presidente da Junta de Freguesia de São Pedro do Esteval, mostrou-se satisfeito com ambas as iniciativas que levaram centenas à aldeia.

“Estamos todos a fazer o nosso melhor e acho que o resultado está a vista com casa cheia, facto que nos orgulha muito”, concluiu Paulo Cardoso.



Última edição