Governo negou indemnização à família do trabalhador de Oleiros que morreu no fogo de 2017
Oleiros
2019-03-13 10:05:18
Povo da Beira

O Governo respondeu negativamente ao pedido feito pelo presidente da Câmara Municipal de Oleiros, Fernando Marques Jorge, para indemnizar a família do trabalhador do município que morreu a combater o incêndio de 2017.

Segundo o autarca de Oleiros, o processo para que a família fosse ressarcida “estava bem encaminhado” até receber uma carta do chefe de gabinete do primeiro-ministro António Costa a negar a atribuição da indemnização e a dar como solução, o recurso à via judicial, caso a família assim o entenda.

“Eu envergonho-me de ser português com um primeiro-ministro destes que faz uma discriminação negativa com uma família pobre como ele fez”, desabafa Fernando Marques Jorge.

Recorde-se que este trabalhador do município de Oleiros, na altura com 50 anos, morreu a combater um incêndio que deflagrou no concelho a 7 de outubro de 2017.

O presidente da Câmara Municipal de Oleiros adianta que a carta que recentemente recebeu, veio do chefe de gabinete de António Costa e adianta que a missiva refere que, caso a família assim o entenda, pode recorrer aos tribunais, caso entenda que tem razão.

Fernando Marques Jorge, visivelmente indignado com a atitude do Governo, realça que do ponto de vista político, “nunca tinha visto nada assim” e recorda que a família do trabalhador de Oleiros, o único que morreu a combater um fogo, é a única que não recebeu qualquer indemnização.

Adianta ainda que vai utilizar todos os meios que tem ao seu alcance para repor a justiça neste processo e recorda que o trabalhador da Câmara de Oleiros, foi o único que morreu em 2017, a combater um incêndio.

A Câmara Municipal de Oleiros, desde a primeira hora, solicitou que a família do trabalhador fosse indemnizada com os mesmos apoios das restantes vítimas dos incêndios e endereçou cartas ao Presidente da República, Provedoria de Justiça e ao Governo.

Perante esta nova realidade, o autarca promete recorrer a todos os meios que tem ao seu alcance para repor a justiça.

Recorde-se que a autarquia, aprovou, por unanimidade, prestar apoio aos dois filhos deste trabalhador, enquanto estes estiverem a estudar, nomeadamente ao nível da alimentação, do pagamento das propinas, do alojamento e de todo o material escolar que necessitem.



Última edição