Números e factos Legislativas 2019: 26 mil votos do distrito sem repercussão na Assembleia da República
Castelo Branco
2019-10-09 01:25:56
Lourenço Martins de Carvalho

As eleições legislativas realizaram-se, em todo o país, no passado dia 6 de outubro. O Partido Socialista (PS) venceu no distrito de Castelo Branco, com 40,9%, 38 302 votos, elegendo assim três deputados para a Assembleia da República – Hortense Martins, Eurico Brilhante Dias e Nuno Fazenda.

O Partido Social Democrata (PSD), que alcançou 26,33% dos votos, elegeu um deputado – a cabeça de lista Cláudia André - completando assim os quatro representantes do distrito de Castelo Branco na Assembleia da República.

Os resultados podem ser vistos, igualmente, numa perspetiva de número. Num universo eleitoral de 170 075 inscritos no distrito de Castelo Branco, 93 695 exerceram o seu direito de voto, o que representa uma abstenção de 44,91%.

O PS e o PSD foram os únicos que elegeram deputados. Se olharmos para os restantes partidos, constatamos que 26 237 votos válidos foram “desperdiçados”, uma vez que os respetivos partidos não elegeram nenhum deputado.

Estes números representam 28% do universo votante do distrito nas últimas eleições e o bolo total de votos “desperdiçados” podia eleger um deputado – no círculo eleitoral de Castelo Branco eram necessários 23 424 votos para eleger o primeiro deputado.

Esta situação acontece devido ao sistema eleitoral português de reconversão de votos em assentos na Assembleia da República. Cada círculo eleitoral converte os votos em assentos parlamentares consoante a população aí recenseada.

Para tal, o sistema eleitoral português utiliza o método d’Hondt, em que os resultados de cada partido são divididos pelos divisores 1, 2, 3, 4 e assim sucessivamente. Os mandatos disponíveis são atribuídos aos quocientes mais elevados que foram obtidos por cada partido.

A estes números, pode ainda somar-se os votos nulos e brancos, que representam 4,78% dos votos, ou seja 4 482 votantes.

Se olharmos para os votos no PS e PSD, percebemos que, em conjunto, os mesmos representam 67,21% dos votos, cerca de 62 976 votantes.

Segundo o jornal PÚBLICO, mais de 680 mil votos foram “desperdiçados” em todo o país.



Última edição