PCP defende o fim das portagens na A23
Castelo Branco
2019-11-08 10:17:00
Povo da Beira

O grupo parlamentar do PCP recomendou o Governo para a abolição da cobrança de taxas de portagem em toda a extensão da A23.

“Ao introduzir portagens nestas vias contraria o objetivo ao qual obedeceu a sua construção e constitui mais um elemento de discriminação e negativo para o interior. Acontece que a introdução de portagens na A23 tem tido consequências profundamente negativas para as populações e para o tecido económico das regiões atingidas. Trata-se de uma dupla discriminação das regiões do interior”, afirmam os 10 deputados que assinam o projeto de resolução.

O PCP recorda que, em diversos troços, a A23 foi construída sobre os anteriores itinerários, tornando inevitável a sua utilização, e acrescenta que, em outros troços, a não utilização da A23 obriga à circulação pelo interior das localidades ou obriga a circular em estradas quase intransitáveis.

“O trajeto entre Torres Novas e a Guarda sem passar pela A23, utilizando a EN 118, o IP2 e a EN 18, obriga a percorrer 231 quilómetros e demora seguramente mais de quatro horas. Pela A23, a distância é de 207 quilómetros e tem uma duração média de 02:10. Não há, como é evidente, nenhuma alternativa viável à A23. A introdução de portagens na A23 representou um retrocesso de décadas nas acessibilidades dos distritos de Santarém, Portalegre, Castelo Branco e Guarda”, realçam.

Leia a notícia completa na próxima edição impressa do jornal POVO da BEIRA.



Última edição