ESART celebrou 20º aniversário
Educação
2019-11-20 10:15:12
Povo da Beira

A Escola Superior de Artes Aplicadas (ESART) celebrou, no passado dia 13, o 20º aniversário, sob o mote “20 anos – 20 ideias”. A celebração, que juntou alunos e docentes, reforçou a importância da escola para o Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) e para Castelo Branco.

José Francisco Pinho, diretor da ESART, realçou que a “verdadeira ESART são todas as pessoas que aqui estão e dão a vida a esta casa”.

“A ESART será sempre, e aqui a ambição também nos caracteriza, uma casa com talento e recursos para partilhar. Será um lugar excitante e inspirador. Um lugar que se desejará voltar”, assinalou.

O docente considera que a escola produz “sons, imagens e objetos” que mostram o outro lado da vida.

“Às vezes há quem olhe para a ESART como um local de entretenimento ou de produção de entretenimento – uma casa de sons, imagens e objetos. Mas o que dá beleza à vida não são certos sons, imagens e objetos que nos desafiam”, afirmou.

O presidente da Associação de Estudantes, Alexandre Pinto Lobo, realçou que a ESART é a escola mais recente do IPCB, mas “das que recebe mais alunos”.

“ESART é sinónimo de Ensino Superior e estudar aqui é viver num mundo à parte”, referiu.

Alexandre Pinto Lobo confessou ainda que o Fórum ESART vai regressar, com uma marca e cara novas e prometeu “que vai chamar a atenção de toda a cidade”.

Maria José Batista, vereadora da Câmara Municipal de Castelo Branco, considerou a ESART “um polo dinamizador do concelho” e “uma referência a nível nacional e internacional”.

“É uma referência de Castelo Branco e uma bandeira nacional, que tem sabido fazer o seu caminho”, disse.

A representante da autarquia agradeceu ainda o papel da escola na produção de material pedagógico que foi entregue aos alunos da cidade.

O presidente do IPCB reforçou a importância do IPCB e da ESART para a região, considerando-a “uma escola internacional”.

“Hoje temos professores que atraem alunos e é uma das melhores escolas de artes do país”, realçou.

António Fernandes destacou a grande procura, confirmando que a mesma faz “quase o pleno na 1ª fase de candidaturas às Licenciaturas e Mestrados”.

O responsável abordou ainda a reestruturação organizacional do IPCB, garantindo que “os valores têm de continuar a ser os mesmos”.

“Temos de honrar o passado, temos que honrar o caminho que fizemos e temos que nos unir relativamente ao futuro para prepararmos toda a nossa instituição para esse futuro. Vamos encarar sérias dificuldades em relação ao futuro, mas estou convencido que toda a comunidade IPCB terá lucidez suficiente para nos juntarmos e unirmo-nos”, prosseguiu.

O presidente da instituição albicastrense acredita que “daqui a 40 anos poderemos estar aqui a festejar”, mas com um nome “ligeiramente diferente”.

“Honrando sempre o passado e os valores – trabalho, seriedade e reflexão – penso que conseguiremos estar aqui daqui a 40 anos a celebrar esta escola – com uma designação que pode ser ligeiramente diferente, mais próxima ou afastada desta. Não serei eu a escolher o nome da escola, mas todos a definir os nomes das escolas, mas penso que o mais importante é mantermos os valores”, concluiu.



Última edição